Make your own free website on Tripod.com

Eduardo Miranda

poesia

Home
poesia
contos
novela
o livro dos rancores

estrelas deitadas em rasas poças
moças bonitas melhor não tê-las

casos de noites de amores morrido
ferido animal evade a largos passos

vida cruel agora que tinhas tudo
mudo mundo de marcadas feridas

amarga testemunha de céu obscuro
puro rancor que só em dor se alarga

enormes peitos composto adiposo
poroso tecido de formas aformes

bunda de bonitos contornos feita
arquétipo de minha libido imunda

abjeto orgão de larga bocaina
vagina cruel cuspidora de feto

herda destempero teu querer
você e nada são a mesma merda


$e digna fo$$e$
morte teria$ ante$ do chão
em que te joga$te com arte
e$tandarte pu$ de tua ganância
infância produto do$ teu$ valore$
amore$ vendido$ quanto$ cu$ cu$taram
valiam mai$ do que $upu$era$
megera vil de $ifrõe$ erguida


nem preocupa inventarse roda
fodase quem deve o que a quem
em cada caminho já percorrido
transfiro o desejo de fechar os olhos
talho bem perto da raíz o tronco
tonto de tanto simulacro...
aro a terra mortuu.


:antes de me asselvajar

terei armas para não te caçar
terei mãos para não te bater
terei pés para não te perseguir
terei olhos para não te vigiar
terei boca para não te ofender
terei ouvidos para não não te ouvir


peito acomoda:

lâmina

pedra esquarteja:
vazio

silêncio pulsa:
água rala & fétida

ampola à deriva:
dor-me.


passividade:
..., ..., ..., ..., ...,
nem ao menos
levantaste
o mínimo dedo
em riste.

ínfima crença nublada
...
impossível céu
de amêndoas nebuladas


meu coração opaco, minúsculo
músculo fraco de dissimulada ação;
o mesmo facão que fere teu peito,
digo-te, efeito no meu não causa não.

então diga, qual lâmina é essa
que depressa corta e abre um vão
entre vontades & desejos, ardente,
rente ao juízo mas fundo ao coração?

amor qual é esse, à própria sorte atirado,
temperado com tempero de pouco sabor;
ao antepor outro amor, pois já enlevado,
desacertado então, o amor torna-se dor.

e soto sentimento, virado do avesso,
confesso e sabido torto desde orto,
porto inseguro do que tenho em apreço,
careço daquilo que não o faz natimorto.




poesia, literarura & afins